Projeto 2

 

Prosódia e Interfaces

 

 

Coordenador:

Miguel Oliveira Júnior - miguel@fale.ufal.br - Universidade Federal de Alagoas - Brasil

 

______________________________________________________

 

XIX ALFAL 2020

 

 

CHAMADA

 

O projeto Prosódia e Interfaces (Profaces) integra um conjunto de subprojetos que têm por objetivo estudar as relações entre a prosódia e outras áreas do conhecimento. Pesquisadores que desenvolvem estudos nessa interface estão convidados a submeter propostas de trabalhos a serem apresentados no Projeto 2: “Prosódia e Interfaces”, no XIX Congresso Internacional da ALFAL, que terá lugar em La Paz/Bolívia, de 10 a 14 de agosto de 2020. Para maiores detalhes acerca dos subprojetos em desenvolvimento, consultar abaixo desta chamada.


Informações sobre a submissão de trabalhos:


1. Os resumos dos artigos devem ter a seguinte formatação: fonte Times New Roman, 12pt, com extensão máxima de 300 palavras. O texto deve apresentar minimamente a delimitação do tema, os objetivos, a metodologia e os resultados obtidos na análise.


2. A submissão deve ser realizada via inscrição no Congresso no site da ALFAL http://alfalbolivia2.2iesbolivia.com, indicando explicitamente que está sendo submetido para apresentação (comunicação) no Projeto 2.


3. As datas importantes:

- Data limite para o envio de propostas: 24 de novembro de 2019 - 31 de janeiro de 2020.

- Data limite para notificar o aceite: 28 de fevereiro de 2020.

- Data limite para envio de artigos completos para publicação: 20 de abril de 2020.

 

 

 

______________________________________________________

 

 

O projeto Prosódia e Interfaces (Profaces) integra um conjunto de subprojetos que têm por objetivo estudar as relações entre a prosódia e outras áreas do conhecimento. Abaixo estão listados os subprojetos que compõem o projeto.


Subprojeto 1

Prosódia e Patologias


Resumo

O presente subprojeto pretende examinar os reflexos de diferentes patologias na realização prosódica de seus pacientes. Será dada ênfase tanto a estudos voltados para a caracterização prosódica dos enunciados de pacientes, quanto para estudos a respeito da interface prosódia-pragmática e, em particular, sobre a estrutura informacional da fala de pacientes.


Esse subprojeto congrega grupos de pesquisa com iniciativas já em curso, os quais trabalham com o registro e análise de fala de pacientes com Esquizofrenia e com doença de Parkinson. A Esquizofrenia e a doença de Parkinson são transtornos que afetam de maneira significativa a fala de seus portadores, em diferentes níveis. Todavia, em estudos relativos a ambas as doenças, há uma dificuldade em se fazerem generalizações interpretativas dos parâmetros calculados da fala na população clínica em função da alta variabilidade entre os falantes. Para a Esquizofrenia, não se há um consenso nem mesmo sobre o conjunto de sintomas linguísticos associados à doença, pois os mesmos podem variar de indivíduo para indivíduo. Apesar disso, trabalhos recentes têm indicado que a estrutura informacional da fala de pacientes com Esquizofrenia pode ser amplamente afetada pela doença, reduzindo a variabilidade ilocucionária de seus enunciados e os tipos de função informacional realizadas por suas unidades tonais. Nesse contexto, o subprojeto Prosódia e patologias pretende também contribuir para a compilação de corpora de fala de pacientes, os quais serão segmentados em enunciados e suas unidades tonais a partir de um critério prosódico-pragmático e que, por isso, são particularmente adequados à análise da estrutura informacional da fala.


Objetivos
Objetivo geral: investigar como diferentes patologias afetam a prosódia de seus pacientes

Objetivos específicos: (a) caracterizar a realização prosódica da fala de pacientes com diferentes patologias a partir de parâmetros acústicos; (b) estudar a estrutura informacional da fala dos pacientes, considerando a importância da prosódia para a atribuição de funções informacionais nos enunciados.


Resultados esperados

1. Produtos

1.1. Corpus de fala espontânea de pacientes com Esquizofrenia

1.2. Corpus de fala de pacientes com doença de Parkinson

2. Realização de evento do subprojeto

3. Participação em eventos

3.1. Congresso da ALFAL, em agosto de 2020, com a presença assegurada de Bruno Rocha e a possibilidade de participação de outros membros do subprojeto

3.2. Evento do PROFACES, em agosto de 2019

3.3. Participação em outros 5 eventos, em princípio internacionais

4. Publicações

4.1. Publicações em pelo menos 3 anais de eventos

4.2. Publicações de pelo menos 5 artigos em revistas científicas ou capítulos de livros


Pesquisadores
Bruno Neves Rati de Melo Rocha (coordenador da proposta), Universidade Federal do Pará

João Vinicius Salgado, Universidade Federal de Minas Gerais / Instituto Raul Soares

Lucas Mantovani, Faculdade de Ciências Médicas / Instituto Raul Soares

Rui Rothe-Neves, Universidade Federal de Minas Gerais

Lucia de Almeida Ferrari, Universidade Federal de Minas Gerais

Marcus Martins

José Carlos Coelho Junior, Doutorando em Estudos Linguísticos na Universidade Federal de Minas Gerais

Maria Isabel Andrade, Doutoranda em Estudos Linguísticos na Universidade Federal de Minas Gerais

Anna De Meo, Università di Napoli L'Orientale

Massimo Pettorino, Università di Napoli L'Orientale

Francesca Dovetto, Università di Napoli Federico II

Simona Schiattarella, Doutoranda em filologia pela Università di Napoli Federico II

Sara Barletta, Università di Napoli Federico II

Gloria Gagliardi, Università di Bologna

Daria Hemmerling, AGH University of Science and Technology (Krakow, Poland)

Marian Oliveira

Zuleica Camargo

Waldemar Ferreira Netto (USP)

 


Subprojeto 2

Interfaces entre Prosódia, Pragmática e Sintaxe


Resumo
Esse projeto considera a interação entre prosódia e diferentes níveis linguísticos de natureza sintático-pragmática, em particular:

1. a descrição das diversas estratégias possíveis para implementar atos ilocucionários e atitudes na interação falada. A variação dos códigos acústicos, no âmbito do uso do registro da voz e de modificações na realização da estrutura acentual da frase, assim como o papel respectivo das duas modalidades, visual e acústica, na realização desses comportamentos comunicacionais serão focalizados nos trabalhos realizados. A observação de similaridades ou de variações entre variedades duma língua ou entre línguas diferentes (bem como os efeitos de contatos linguísticos) constituam um objetivo importante nesse projeto;

2. a descrição das funções informacionais da fala espontânea e das suas marcas prosódicas, incluindo funções não ilocucionárias. Será privilegiada uma abordagem a partir de corpora, com dados também de caráter quantitativo;

3. a descrição do comportamento da sintaxe com relação aos níveis pragmáticos (tipicamente ilocução e estrutura informacional), com atenção ao componente prosódico como marca de autonomia ou subordinação. Será focado o estudo da insubordinação para investigar como as estruturas sintáticas são interpretáveis a partir de suas marcas prosódicas.


Pesquisadores
Albert Rilliard

Leticia Rebollo Couto

João Antônio de Moraes

Philippe Boula de Mareüil (LIMSI, CNRS)

Tommaso Raso

Heliana Mello

Lucia Ferrari

Giulia Bossaglia

Bruno Rocha

Alessandro Panunzi (Univ. de Florença)

Massimo MOneglia ( Univ. de Florença)

Emanuela Cresti (Univ. de Florença)

Carolina Gomes da Silva

Luma Miranda

Gizelly dos Reis Soares

Manuella Carnaval

Frederico Cavalcante

Luis Lima e Silva

Oliver Gobbo

Saulo Mendes


Produtos considerados

Artigos em revistas

Capítulos de livro

Apresentações em seminários e congressos

Compilação de corpora

Teses de doutorado

Dissertações de mestrado



Subprojeto 3

Prosódia e Segmentação da Fala


Resumo

A segmentação da fala espontânea é fundamental para definir o domínio das relações linguísticas; Se tomamos como exemplo a sequência "João vai pro Rio até amanhã", o significado muda dependendo de como segmentamos o material: 1. João ! (por ex. chamamento) Vai pro Rio ! (por ex. Ordem) Até amanhã (por ex. Despedida); 2. João vai pro Rio (por ex. Asserção). Até amanhã? (por ex. pergunta de confirmação). 3. João vai pro Rio até amanhã? (por ex. pergunta total). Naturalmente a cada segmentação podem corresponder diversas ilocuções, mas a segmentação restringe a escolha das ilocuções e define a função morfossintática das palavras e dos sintagmas. Enfim, a segmentação é o primeiro processo cognitivo a ser realizado no processo de produção e percepção de uma sequência falada. Este projeto visa a investigar as pistas prosódicas deste processo e a torná-las automáticas através de um script e de análises estatístico-computacionais.


Produtos esperados

Um modelo (o um conjunto de modelos) capaz de simular a segmentação humana da fala espontânea por um amplo número de anotadores experts com alto índice de acordo entre eles e de tornar automático o processo. Os modelos são divididos em dois macro-grupos: modelos de fronteiras terminais e não terminais. Cada um desse macrotipo é dividido em modelos especializados para tornar mais eficiente o processo.

Pesquisadores
Tommaso Raso

Plínio Barbosa

Bárbara Helohá Teixeira Falcão



Subprojeto 4

Prosódia e Percepção


Resumo
O objetivo deste projeto é apresentar e discutir métodos específicos para o estudo da percepção de aspectos prosódicos da fala, através de estudos que abordem os mais diversos níveis da estrutura linguística em variadas línguas.


Produtos esperados

Artigos em revistas

Capítulos de livro

Apresentações em seminários e congressos


Pesquisadores

Miguel Oliveira, Jr.

Regina Cruz

Ayane Almeida

Ebson Rocha

Humberto Meira de Araújo

Maraísa de Castro

Musiliyu Oyedeji

René Almeida